18/10/2008

MEMÓRIAS DA GUERRA - MATAR OU MORRER!...

Vaga lumes luziam em silêncio por entre o capim de hastes delgadas e cheiros impertinentes que se alojavam nos corpos e no interior de cada um, como um estigma de amor.
As botas enterravam-se na água lamacenta das bolanhas vazias de arroz, talvez densamente povoadas de repteis e outros anfíbios ou semi anfíbios, ou peixes sem nome e de outras pequeníssimas espécies de habitantes aquáticos, que fugiam espavoridos a cada passo e ao ruído surdo do chap chap cuidadoso de cada passada.
Eram duas longas filas de homens que se entregavam aos mais variados pensamentos, entre a atenção sobre a floresta escura, e algum ruído indissociável do perigo que pressentiam avindo da sua densidade impenetrável.
Manuel António seguia na fila da esquerda, a mais distante da orla da mata. decidira não fazer a barba. Tomara o banho antes de se deitar e escrevera uma carta longa para Alexandra. Não uma despedida, mas uma carta densa de amor de projectos ao porvir. O filho que queriam ter. O filho deles, varão. Queria um menino, não porque desgostasse de uma menina, mas tinha receio de não ser capaz de a educar.
Atrás dele, o Fátima, sussurrava Pais nossos e Avé Marias, um rosário entre o gatilho da espingarda e a mão que segurava o cano, junto ao carregador de munições. A voz pastosa quase inaudível, uma ladainha.
Na sua frente, passos trôpegos, gingando ora para um ora para outro lado ao peso das granadas de Bazooka, e do bagaço que ingeria sempre que havia uma operação de combate, o Cortegaça, espalhafatoso na parada do quartel ,barafustando contra tudo e todos, agora mudo, congeminando sabe-se lá o quê ou contra quem.
Estropiados. Nenhum deles queria sair dali estropiado. Antes morrer. E iam ficando, sem o saberem, sem darem por isso a cada estremecer do coração, ao estalido vindo da mata, ao riso súbito, aviltante, dos macacos despertos pelo cheiro humano irrompendo pelo seu habitat. Seguiam o trilho que alguém erudito traçara com nuances hipócritas de ser o melhor para os homens, o mais seguro e capaz de surpreender o inimigo. Um risco sobre o papel rijo e amarelado do mapa e de onde sobressaía a mancha verde da floresta e o local exacto do acampamento ou aldeia a destruir.
Manuel António é um pacifista. Não quer matar. Não quer destruir o lar de ninguém. Aceitou de si, vir por amor. Acreditando que era possível vir e voltar sem que tivesse ocorrido nada do que temia, matar, por exemplo. Não pensava na sua própria morte, mas o acto de matar um outro ser que ele admirava, que ele amava e a quem não podia dizer uma palavra se se encontrassem frente a frente. Era matar ou morrer, sem uma palavra. O mais rápido, o menos surpreso, o sangue mais frio, ou o dedo mais hábil. Matar ou morrer.
Sentia as lágrimas ofuscar-lhe a visão.
As pernas começavam a pesar, de molhados, os uniformes ganhavam uma pressão intransigente sobre as pernas. A noite ainda densa e eis que se chegam ao local do assalto. Os homens são dispostos ao redor da aldeia para que não escape nada nem ninguém. Casas de lama e capim. Uma clareira castanha no verde da mata. África.
É dada a ordem e como uma mola, os que estavam instruídos para a tomada do objectivo, lançam-se confiantes que não terão oposição, sobre as casas de onde começam a sair animais de criação, galos galinhas e porcos. Das casas, aos gritos indecifráveis porque de dialectos tribais ou étnicos, saem mulheres de idade, crianças, velhos que vociferam contra os invasores. Ouvem-se disparos de metralhadoras de armas ligeiras, gritos de filhos da puta, cabrões e outros selváticos de dentro, da raiva de estar ali e não querer ou de gostar desta farsa de ser homem. Há fumo, labaredas que se propagam ao capim envolvente das palhotas, o choro das crianças cansadas de correr em volta. O ranho, as lágrimas ,o suor de mistura com o pó e o cisco das palhas ardidas.Imagem Dantesca no dealbar da madrugada.
Manuel António está na retaguarda , dos que fazem segurança à chacina dos bens e da dignidade de uns tantos que resolveram tomar o partido dos bandidos e observa aterrado o vai e vem dos homens possessos. Homens, como ele. Dum povo que vive amordaçado e convencido que é dono de outros povos tão longe. E pensa que é tão responsável como os que executam.
Feita a operação, trazidos alguns prisioneiros, mulheres e crianças, para servir de aviso à restante população rebelde, iniciam o regresso, constatando que não havia armas, nem gente armada, nem Turras, naquelas miseras palhotas no interior da mata.
O mesmo caminho de regresso. "Olha o papão. Deus nosso Senhor castiga-te." Lembrava-se, de quando era criança e fazia um estrago, os ralhos adultos, o olhar severo, do lado de fora e de cima de si, poderosos e ele franzino, dois palmos de gente, tremendo de medo pelos castigos...
O sol apareceu e trouxe a habitual nuvem de mosquitos sugadores dos suores entretanto expelidos pelos poros dos corpos cansados. A mesma tensão, agora acrescida pelo medo de qualquer retaliação. Os rostos têm uma cor macilenta. Os olhos salientes, as pálpebras inchadas. Manuel António é o penúltimo porque o Fátima fazia questão de ser o último. Era Fátima. Sentia-se imbuído dum espírito de protecção.
Soam tiros de costureirinha, assim chamada porque o som parecia o de uma máquina de coser roupas. Explosões de morteiro 62. Os homens espalham-se pelo chão e disparam as suas armas na direcção da mata.
Manuel António repara que o Fátima está inerte, que geme baixo e nota-lhe uma mancha negra junto ao ombro. O tiroteio é intenso. Ouvem-se gritos de perto, em Crioulo que os mandam para a sua terra, que lhes chamam bandidos. Julga ver vultos que correm tão perto e pensa que é desta que não vai escapar. Levanta-se um pouco para amparar o Fátima, arrastá-lo para junto do enfermeiro que, transido de medo espumava da boca seca e pastosa dum suco horrendo entre branco e castanho, sangue. Por momentos pensa que o Fátima cumprira a sua missão, o quer que fosse, bala ou estilhaço de granada, se ele fosse o último, seria ele o atingido.
Manuel António voltou para a sua posição, rastejando e de cócoras, olhos na mata e dá com ele,os olhos dele luminosos, os dentes brancos, um lenço vermelho sujo enrolado na cabeça. É um homem como ele, mas está do outro lado da vida. Grunhe palavras inteligíveis e dispara na sua direcção. Rápido estende-se e rebola no chão de capim. Ouve os silvos das balas sobre si. Angústia. os passos que se movem rápidos e dispara gritando: Alexandraaaaaaa!!!! dispara um carregador e outro que conseguiu enfiar entre tremores.
_Já o mataste!.
Era uma voz conhecida. Palmadas nos seus ombros, nas costas, os tiros ainda que se afastavam. Névoa no interior do cérebro. Saliva acre que teimava em escorrer-lhe de dentro de si
_Mataste-o pá. Porra! O Cortegaça, já sóbrio, sem o peso das granadas de bazooka entretanto despejadas.
_Eu?! Incrédulo, ele, Manuel António, a levantar-se atordoado, a apalpar.se e a cuspir a ver se era sangue o que teimava em escorrer de si, por entre os seu lábios. Não, não era sangue, ou era, de uma cápsula de bala que saltara da culatra e foi ver, aproximou-se de onde o comandante e outros pegavam na arma do homem que ele supostamente matara. E lá estava, as vísceras de fora, enrodilhadas entre si, o intestino grosso e o delgado e todos os órgãos à volta, macabros, numa evidência de corpo tracejado a bala. E o cheiro a carne, não de fora, mas de dentro da carne, pestilento, onde já nuvens de mosquitos se banqueteavam e em cima, por cima das cabeças deles, os abutres atentos, farejantes da morte em busca do festim. Olhou o homem de pele escura, os dentes brancos agora escondidos sobre os lábios cerrados, os olhos abertos, negros, ainda com um resto de brilho, como vidro, e em volta a córnea amarelada. As mãos abandonadas de palmas voltadas para cima, como se pedisse desculpa ou se oferecesse em sacrifício de uma causa a que Deus?... meu Deus!...
Voltou-se e seguiu em passos lentos na direcção de amigos que o sentiam desfeito. Um esgar de dor em todo o rosto, os membros entorpecidos, névoa no cérebro e uma palavra que repetia em sucessivos estertores da voz:
E agora Manuel António?...E agora....?

6 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Olá João!
Pelo jeito inconfundível da escrita vim aqui apenas conferir!
Sim...é mesmo o João, e outros tantos nomes que inventa...
Achei este enderêço no blog da Mimi! Eu já havia passado por aqui antes, mas devido a um "black out" do meu PC tinha perdido o end...agora já está adicionado de novo.
Um beijo.
Astrid

maria de fátima disse...

Olá João passas a vida a surpreender-me.Como é que tens tanta imaginação para criar tantos blogues e escrever textos tão lindos?Isto é que é uma trabalheira ler 5 blogues, incluíndo já o da tua querida netinha.Estou a brincar.É sempre um prazer vir aqui ao teu mundo da Net.Beijinhos.

tem a palavra o povo disse...

Olá Maria de Fátima.
És mesmo uma mulher do Norte, perspicaz.
Também não foi dificil, dificultaste a minha entrada no teu blog e tive que entrar com este.
Aconteceu.
Mas este foi o meu primeiro blog. Agora vou colocando aqui, os que tenho como mais bem conseguios.
Obrigado pelas tuas palavras de incentivo.
Agora vou sair, renho que ir comprar umas coisa .
Beijinhos amiga

tem a palavra o povo disse...

Astrid Annabelle.
A bela Astrid, a luz e o perfume que nos inunda o ser de paz eterna.
Ando um tanto disperso na azáfama de preparar o nascimento do Pedro Miguel aos olhos da Leonor sua irmã, que se mostra muito ansiosa e carente.
Vai ser amanhã de cesariana e espero que se acalme quando o vir.
Tudo de bom para si.
Beijinhos

Parapeito disse...

...Um quadro de guerra bem real...e bem cruel...que infelizmente mtos dos nossos familiares tiveram de viver. na guerra colonial...
Caso para dizer : e depois Manuel António...e depois?
Seguir para a frente ...com os fantasmas atrás.

tem a palavra o povo disse...

maria lobos.
Olá amiga, obrigado por me leres, por aceitares os fantasmas que vão fazendo de nós seres sem importância, a que nos atribuímos por vezes, e pela qual maltratamos amigos, e familiares, porque atingimos um estatuto que nos permite, julgamos, olhar de cima, julgar...
Desde quando , as guerras e em nome de que deuses, de que principios, de que razões?...
Sim, seguir para a frente e consultar os fantasmas sempre que tivermos dúvidas, sempre que sentimos que nos excedemos.
Boa semana amiga
Beijinhos